Número total de visualizações de página

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

XVI CONCENTRAÇÃO DE MOTARDS

Caros motards:

Há semelhança dos anos anteriores, foi com muita alegria que Cortecega vos recebeu mais uma vez nos dias 13, 14. 15 e 16 de Agosto na nossa Associação Desportiva e Cultural, que muito vocês contribuíram, para que passa-se de um sonho a uma realidade, aquando da concentração dos motards na nossa linda vila de Góis.

Todos os voluntários que ali se encontravam a trabalhar (homens, mulheres, novos e menos novos) tudo fizeram para vos servir as melhores refeições, da melhor maneira que sabiam e podiam.

Toda a comida foi confeccionada na hora, muitos dos ingredientes foram criados nas pequenas hortas existentes na aldeia. Vou contar-vos uma curiosidade, no sábado pela hora do almoço verificámos que a carne possivelmente não iria chegar, então duas pessoas foram a uma aldeia perto, o "Esporão", e com a ajuda de um profissional na matança de porcos, mataram um porco e trouxeram-no para Cortecega, porco esse que foi confeccionado para o jantar desse mesmo dia e para o do dia seguinte. Posso vos dizer que carne mais fresca não existia.

Durante os vários dias foram servidos +/- 750 refeições ( ementa completa), muita sopa da pedra, ( feita pelos/as cozinheiros/as de serviço) sandes, vários pequenos almoços, lanches, petiscos e muita imperial.
Também proporcionámos alojamento a vários motards na Hospedaria que fica no primeiro andar, que estava lotada.

Muito obrigada a todos os que nos visitaram. Para o ano cá vos esperamos.


Deixo aqui algumas fotos para mais tarde todos podermos recordar, Clik em cima das mesmas para abrir.

As restantes fotos poderão velas no vídeo que publicarei neste blog mais tarde.


A fila para o almoço

Valeu a pena a espera, o almoço estava muito bom!

Panorâmica do exterior da Associação




Finalmente chegou a minha vez...

Sem comentários:

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"