Número total de visualizações de página

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

III Encontro de Concertinas

No próximo dia 2 de Novembro [domingo], a partir das 13h, vai realizar-se o 3º Encontro de Concertinas em Cortecega, concelho de Góis, que terá lugar na Associação Desportiva e Cultural de Cortecega.
O programa agendado para esta iniciativa é o seguinte:
13.00 h. - Recepção aos participantes e público
13.30 h. - Almoço convívio
14.30 h. - Início da actuação dos Concertinistas

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Descapelada

"Cortecega terra dourada
Foi onde nascemos
E onde fizemos
Grandes desfolhadas.

No meio das desfolhadas
Havia muitas barbelas
A casa da tia carriça
Estava cheia de capelas.

Ao longe já se ouvia
A juventude a cantar
Procurando a espiga vermelha
Para os presentes poderem beijar

Cada vez que se encontrava a espiga
Tocavam a concertina
Lá vinha o dono do milho
Distribuir um copinho

Domingos, dias santos e noites
O povo lá se reunia
Cantando às desgarradas
Passavam mais uma noite e um dia

Cortecega, situada numa encosta
Terra do meu coração
Aos teus pés fica o rio Ceira
Na tua cabeça o Rabadão.

A serra do Rabadão
Está cheia de belezas
Cortecega, aldeia Serrana
És das mais portuguesas"

Eugenia (2007)

Juventude de Cortecega

"A malta desta terra
À noite toda porreira
Juntavam-se a cantar
Todas as noites na eira.

Junto da Eira
Existe a capela
Dentro dela está
Nossa Senhora das Neves
Que é a nossa padroeira

Dentro da capela
Rezámos primeiro
Pedindo a paz
Para o mundo inteiro.

Somos os jovens desta terra
Cheio de alegria e carinho
Contamos contigo senhor!
Para nos guiar o caminho.

Olhando para o céu…
Vimos uma estrela brilhar
Que noite após noite
Nos tenta ajudar

Dentro da capela
Nós iremos orar
Pedindo á Nossa Senhora
Para que dia após dia
Nos possa ajudar.

Paz, amor e carinho
Façamos dele semente
Que levamos em cabazes
Para dar a toda a gente.

Nesta longa caminhada
Paz e amor não faltarão
De mãos dadas venceremos
O sol e a lua nos guiarão.

Caminhando, caminhando
Cheios de paz e carinho
Com amor, fé e esperança
Encontraremos o nosso caminho.

Mais um dia começa
O sol acaba de nascer
Iremos felizes pela vida
Juntos, sempre até morrer"
Eugénia, 1980

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"