Número total de visualizações de página

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

XVII ALMOÇO DAS VINDIMAS - XV ADCC- 3ª PARTE

Já deixei aqui algumas fotos deste dia inesquecível. Agora, é a vez de deixar aqui as do magusto e da visita às adegas ao toque das concertinas para provar o vinho novo.
 
Não posso deixar de agradecer as fotos que me foram enviadas para o meu correio electrónico, pois este ano infelizmente não pode estar presente.
Sem o envio das mesmas não seria possível publica-las aqui neste blogue que é da nossa aldeia "CORTECEGA".

 Enquanto uns preparavam o magusto, outros divertiam-se
O colocar da caruma e depois as castanhas e de novo a caruma
 O Paulo vai mexendo para ficarem bem assadinhas.
 Agora é a altura em que se amacia a castanha. e diz-se "amacia, amacia, castanha da azia quando eu era pastor também assim fazia"
 Que lindas que elas estão...está quase...
 Toca a descascar e é se querem comer diz a Paula....
 Todos quiseram recordar o saltar da fogueira...atá o "ti Fernando"...


 Mais uma vez voltam a assar, pois algumas estavam cruas.
 Todos descascam as castanhitas....
 O pucaro do vinho novo.
  Prova do vinho novo. Pelas caras está bom...
 Mais uma adega a ser visitada
  Desta vez foi a vez de provar a jeropiga

Sem comentários:

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"