Número total de visualizações de página

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Juventude de Cortecega

"A malta desta terra
À noite toda porreira
Juntavam-se a cantar
Todas as noites na eira.

Junto da Eira
Existe a capela
Dentro dela está
Nossa Senhora das Neves
Que é a nossa padroeira

Dentro da capela
Rezámos primeiro
Pedindo a paz
Para o mundo inteiro.

Somos os jovens desta terra
Cheio de alegria e carinho
Contamos contigo senhor!
Para nos guiar o caminho.

Olhando para o céu…
Vimos uma estrela brilhar
Que noite após noite
Nos tenta ajudar

Dentro da capela
Nós iremos orar
Pedindo á Nossa Senhora
Para que dia após dia
Nos possa ajudar.

Paz, amor e carinho
Façamos dele semente
Que levamos em cabazes
Para dar a toda a gente.

Nesta longa caminhada
Paz e amor não faltarão
De mãos dadas venceremos
O sol e a lua nos guiarão.

Caminhando, caminhando
Cheios de paz e carinho
Com amor, fé e esperança
Encontraremos o nosso caminho.

Mais um dia começa
O sol acaba de nascer
Iremos felizes pela vida
Juntos, sempre até morrer"
Eugénia, 1980

2 comentários:

Carvalhal-Miúdo disse...

É bom recordar a juventude desses tempos. Agora já não há por essas aldeias.
Minha família vem de Carvalhal-Miúdo, Ladeiras e Esporão, mas também por Cortecega se ligaram laços...a minha tia Arminda casou com o tio Guilherme (já falecido), grande homem que muito admirei e admiro. O Paulo, seu filho, pertence, talvez, a essa juventude que alude no seu poema.
Gostei de passar por aqui, se quiser pode visitar o meu blogue: http://notasdecarvalhal-miudoeladeirasdegois.blogspot.com

Meus cumprimentos
António M.R.Martins

Eugénia Santa Cruz disse...

Obrigado pelo seu comentário.
É muito bom recordar estes tempos, são estas recordações que nos ajudam a crescer.
Claro que o Paulo fazia parte desta juventude! é meu primo, filho do meu tio Guilherme. Foram tempos difíceis, mas tenho saudade desses tempos. Felizmente que ao longo do ano quando lá vou, reunimo-nos e recordamos estes tempos.
Cortecega é uma terra única, hospitaleira e as suas gentes são maravilhosas.
Cumprimentos,
Eugénia Santa Cruz

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"