Número total de visualizações de página

quarta-feira, 20 de abril de 2011

MARINHEIROS REÚNEM-SE EM GOIS (CORTECEGA)

Queridos Amigos!

É com muita alegria que no dia 30 de Abril de 2011 a Associação Desportiva e Cultural de Cortecega, vos recebe nas suas instalações nesta linda aldeia.
Estamos muito gratos pela vossa escolha e pelo prazer que nos dão em se virem deliciar com os cozinhados simples, mas muito saborosos que as gentes de Cortecega já nos habituaram. Podem também contar com a boa disposição e alegria contagiante e o voluntariado destas gentes.

P.S: A Presidente da Associação “ Tia Celeste” precisa da ajuda de todos na preparação do almoço. Assim deixo aqui um pedido (em nome da mesma) para estarmos presentes e ajudar no que for preciso como tem sido hábito. Para tal devem confirmar, se possível, esta mesma ajuda até ao dia 26/04/2011.

Feliz Pascoa para todos.



___________________________________________________________


Noticia publicada no Jornal Varzeense de 15/04/2011


1 comentário:

Dina Neves disse...

Génia Amiga,mais uma vez temos que mostrar que em Cortecega se pode fazer eventos de grande valor,servindo aquelas pessoas que escolheram a nossa aldeia para festejarem mais um encontro de Marinheiros amigos. Vamos sevi-los com muita alegria e com uma ementa á escolha deles que decerteza os vai deliciar. É claro que é de destacar o nosso voluntariado tanto na cozinha a confecionar o apetitoso almoço como no serviço das mesas...para tal o pessoal amigo tem que aderir ao apelo da Presidente...Obrigada por divulgares a noticia e o apelo no Blog...Bjs

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"