Número total de visualizações de página

terça-feira, 30 de agosto de 2011

XVIII CONCENTRAÇÃO MOTOTURISTICA DE GÓIS

Mais um ano e lá estava a “Associação Desportiva e Cultural de Cortecega” com a simplicidade e alegria para receber os Motards que se deslocaram à XVIII Concentração Mototuristica nos dias 18,19, 20 e 21 de Agosto e que mais uma vez nos brindaram com a sua escolha para ali poderem fazer as suas refeições.
A nossa aldeia é já conhecida por muitos uma vez que a origem da Associação muito tem a ver com esta concentração (e quase me arrisco a dizer que sem esta não seria possível o nosso sonho se tornar realidade).
As obras continuam ano após ano e este ano quem lá foi encontrou um espaço já pintado, quase todas as divisões com chão novo, um fogão industrial, entre outros. Mas, para que tudo isto seja possível temos de arregaçar as mangas e trabalhar.



Começando na semana que antecede os motards e terminando uns dias após o fim da concentração, as gentes de Cortecega não param.

Servir cerca de 750 refeições principais, mais os pequenos-almoços e os lanches não é fácil mas quem corre por gosto não cansa.
Ali só está quem quer ajudar. Sempre voluntários, de todas as idades, este ano éramos cerca de 40 pessoas. A nossa maior recompensa é saber que quem nos visitou saiu feliz e ver a nossa Hospedaria “Trepadinha” cada vez mais perto de estar concluída.

A próxima aventura será no dia 8 de Outubro de 2011.
O almoço anual das Vindimas já tem lugar há vários anos e como sempre haverá muita música e animação. Toda a gente é bem vinda !

A nossa Hospedaria está sempre aberta para quem ali quiser dormir e é só marcar.

As fotos aqui deixadas demonstram um pouco do trabalho, da alegria contagiante de quem trabalha, dos visitantes e das iguarias ali servidas.

UM BEM HAJA A TODOS E PARA O ANO CÁ VOS ESPERAMOS.


 


Caros visitantes, uma vez que estas fotos não tem grande qualidade e a pedido de vários amigos, publico em slideshow ao lado direito deste blogue novamente as fotos.

Sem comentários:

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"