Número total de visualizações de página

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

COORDENAÇÃO DE GÓIS DO PROJECTO " LIMPAR PORTUGAL" REALIZA FESTA EM GÓIS.


A Coordenação de Góis do Projecto “Limpar Portugal”, no âmbito deste projecto, no próximo domingo, dia 21 de Fevereiro, vai realizar uma festa convívio em Góis, na Associação Educativa e Recreativa de Góis, pelas 15 horas.
O encontro, que contará com todos os colaboradores e amigos desta causa, tem a finalidade de divulgar o projecto e obter o apoio de maior número de voluntários. Para animar o encontro, algumas instituições e grupos culturais irão proporcionar bons momentos de animação:


- Rancho Folclórico da Freguesia do Cadafaz
- Grupo de Concertinas da Escola de Concertinas de Góis
- Grupo de Judo de Góis – Demonstração de técnicas
- Grupo 74 - Escoteiros de Góis
- Grupo de Musicas e Cantares da Várzea
- Grupo de Violas e Cantares de Vila Nova do Ceira
- Filarmónica da Associação Educativa e Recreativa de Góis

Importa ainda referir que, o Projecto “Limpar Portugal” consiste em limpar a “floresta portuguesa num só dia”. Neste momento já muitas pessoas acreditam que é possível, mas são necessárias muitas mais.
O objectivo é juntar o maior número de voluntários e parceiros, para que todos juntos possamos, no dia 20 de Março de 2010, fazer algo de essencial por nós, por Portugal, pelo planeta, e pelo futuro dos nossos filhos, limpando a floresta portuguesa.

“Limpar Portugal? Nós vamos fazê-lo! E tu? Vais ficar em casa?'

"in http://www.rcarganil.com de 19 de Fevereiro de 2010"

Sem comentários:

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"