Número total de visualizações de página

domingo, 11 de abril de 2010

ALMOÇO DA AMIZADE 2ª. PARTE

Queridos amigos bloguistas e visitantes deste meu simples blog, após vários pedidos dos visitantes deste espaço, deixo aqui mais algumas fotos da singela homenagem que o povo da minha aldeia decidiu fazer a este espaço em meu nome. Pois este blog embora seja feito por mim, tem um único objectivo, partilhar o que de mais belo existe, as nossas aldeias (muitas vezes esquecidas) e as suas histórias, mas, são vocês caros visitantes que lhe dão vida.
Aproveito para falar mais um pouco do dia do almoço da Amizade. Neste dia também podemos contar com uma pequena demonstração do nosso puro mel, e quem dele precisou pode comprar e do artesanato feito por uma grande senhora, a tia Celeste Neves. Decidiu aprender esta técnica e está pronta transmitir o que tem aprendido ás pessoas da nossa aldeia e outras que queiram aprender, como ela diz (e eu subscrevo) não existe idade para se aprender.
Embora ela diga que não é de Cortecega, mas sim do Esporão, isso não se reflecte no seu trabalho, pois sempre me lembro desta senhora a lutar por Cortecega, É sem dúvida graças a ela que a Hospedaria Trepadinha e Casa de Convívio de Cortecega, está como está, quase pronta. Todos trabalhamos, é verdade, mas, todos os meses é ela que tem de se preocupar com a prestação bancária que todos os meses entra no banco (empréstimo feito pela Associação Desportiva e Cultural de Cortecega para as obras já realizadas) é esta senhora que tem de ver se a Associação tem dinheiro, se o dinheiro conseguido nas várias actividades ao longo do ano chega ou não. É esta senhora que sempre que é necessário se desloca de Coimbra a Cortecega para resolver questões que de uma maneira ou de outra sempre aparecem para resolver.
Bem, um dia falarei dela e de todas as pessoas que mais directamente estiveram e estão ligadas a este nosso sonho. Casa de Convívio e Hospedaria Trepadinha.

ARTESANATO VÁRIAS TÉCNICAS AQUI DEMONSTRADAS

LINDAS PEÇAS

VISTA GERAL DO ARTESANATO

MEL E LICORES DE MEL
A MEDALHA
OUTRA PARTE DA MEDALHA

UMA LINDA CAIXA, ONDE VINHAM ALGUNS DOS MEUS POEMAS

2 comentários:

Paula Santa Cruz disse...

Olá eugénia,
Assim sim!!! Só é pena que as fotos da medalha não dêem para ampliar. Quando for a sua casa, aí sim irei querer vê-la bem.
Bjs
Paula Santa Cruz

anabela disse...

So tez digo parabens.Bjs.

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"