Número total de visualizações de página

quinta-feira, 18 de junho de 2009

FÉRIAS DE VERÃO

Sair de férias é um momento especial na vida de todos nós. Não somente por ser um período dedicado especialmente ao relaxamento do corpo e da mente, mas também porque invariavelmente nos tornamos protagonistas de situações inimagináveis que se constituem, por si só, no verdadeiro prazer de vivermos.
Deixo-vos aqui um convite! Como já puderam verificar pelas fotos dos nossos bloggs, o nosso concelho tem muito para oferecer, começando pelas suas lindas paisagens, os seus recantos escondidos, os seus rios e vales, o seu sol (que bom é acordar e ver o sol a entrar pela janela ao som dos passarinhos), a sua gastronomia, (chanfana, broa de milho, cozido à portuguesa, entrecosto à Cortecega, as migas, o arroz doce, os coscorões o seu vinho etc…) e para mim o mais importante, as suas gentes.
Para quem gosta de poesia como eu, nada melhor que o silêncio deste cantinho perdido no interior do nosso Portugal, para escrever e carregar baterias para a vida agitada que todos vivemos. Nada melhor que passear na minha aldeia e concelho e poder dizer “bom dia tia Maria, como tem passado?” ; “hoje vai estar um dia de sol, não acha?”. Enfim … tantas coisas que nas cidades não se diz, pois muitas vezes não conhecemos o vizinho do lado.
Assim, convido-vos a passar um dia na Peneda, nadar nas suas águas límpidas, levar a comida e fazer um piquenique em família ou almoçar na esplanada ou nos belos restaurantes de Góis.Conhecer as aldeias deste maravilhoso concelho, as suas casas de xisto, os seus moinhos, dançar divertirem-se nas festas de verão e passar a noite na Hospedaria Trepadinha em Cortecega.
Quando entramos de férias, tudo parece que muda; porquê?
Porque as férias fazem-nos esquecer misérias.
Com as férias já podemos descansar.
Para as coisas que acontecem, podermos testemunhar.
Nas férias podemos estar com os amigos,
Sejam eles novos ou antigos.
Férias, são férias, e temos que as aproveitar!



Açude da Peneda


PENEDA (Góis)

ESPLANADA DA PENEDA (Góis)

Sem comentários:

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"