Número total de visualizações de página

terça-feira, 16 de junho de 2009

RANCHO FLOCLÓRICO E INFANTIL DE CORTECEGA

Tudo começou por uma brincadeira no início dos anos 70. Como havia muitos miúdos nesta aldeia, a tia Margarida Bandeira decidiu ensaiar umas modas para irmos dançar a Gois dia de Carnaval, mas a recepção foi tão grande que decidiu continuar. Como veio viver para Lisboa não podia continuar a ensaiar o rancho. Ficou a tia Zulmira Bento como ensaiadora e mais tarde a tia Lena Bandeira, mantendo-se até o Rancho acabar nos anos 90. Este rancho percorreu o país dando a conhecer o nosso Concelho através das nossas músicas e tradições. Tinhamos como orientador e apresentador o Tio Mário , era ele quem fazia apresentação das musicas e danças que nós com muito orgulho representávamos.
Foi sempre acolhido com muito carinho e só acabou porque como é uma aldeia pequena as pessoas cresceram e tiveram que se ausentar da terra procurando uma vida melhor.
Como naquela terra são todos família mantêm-se em contacto todo o ano unidos não só pelos laços familiares como pela mesma causa, lutar para que a terra que nos viu nascer possa ser um orgulho para os seus filhos e para quem a visita. Assim há alguns anos atrás, pelas festas de verão, alguns elementos que estão mais próximos decidiram ensaiar algumas modas do antigo rancho com elementos antigos e seus filhos. Assim, dia das festas de verão em honra da Nossa Senhora das Neves há 4 anos atrás o Rancho Renascer apresentou algum do antigo repertório. Foi muito aplaudido pelas pessoas que pediram para continuarmos. Mas não é fácil uma vez que estamos longe um dos outros e os nossos filhos estudam e alguns trabalham e que torna difícil para ensaiar. Mas, como o que nos dá alegria nunca esquece, sempre que possível voltamos a dançar, como por exemplo no almoço das vindimas que todos os anos se realiza durante o mês de Setembro.

Aqui deixo algumas fotos para poderem recordar.


FOTO DO RANCHO NO SEU INÍCIO

UNS ANOS MAIS TARDE

FOTO DE HÁ 4 ANOS ATRÁS (descendentes)

ALMOÇO DAS VINDIMAS -2006

Sem comentários:

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"