Número total de visualizações de página

terça-feira, 30 de junho de 2009

"A MINHA TERRA"

A minha aldeia é igual a outras tantas;
Chove e faz frio e faz calor…Cheira a terra,
Sonha-se livremente sem guerra…
Ah, terra minha…Tanto que me encanta.

A minha aldeia guarda na memória,
Os tempos das misérias passadas;
Nas rugas deste povo, imenso nadas
Porque dos nadas não se faz história.

Na minha aldeia, ouve-se os passarinhos a chilrear;
Logo de pela manhã, vê-se o sol nascer,
Rompendo devagarinho ao amanhecer
A minha aldeia!... Que bom é lá estar.

É da serra, que é inspiração do meu canto.
Olhos alcançaram largos horizontes,
Percorrendo mundos mil de espanto.

Sal de mágoa e suor rompeu nas fontes;
Povo que trabalha selvagens montes,
Amamos nossa terra, tanto!... Tanto!...

Sem comentários:

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"