Número total de visualizações de página

domingo, 21 de março de 2010

O SONHO DE UMA JOVEM BEIRÃ


Há quatro anos atrás
Quando decidi voltar a estudar.
Não fazia uma pequena ideia,
Da matéria que ia encontra.

No terceiro ou quarto dia
Apeteceu-me desistir.
Mas, a força era tão grande,
Que em frente consegui seguir.

No ultimo dia do ano lectivo de 2006
Era uma realidade, eu não queria acreditar.
O 12º ano tinha concluído,
E mais um passo do meu sonho acabara de concretizar.

Foi difícil, duro tive de lutar
Mas a vida é mesmo assim.
No caminho encontrei colegas e professores,
Que diziam…não desista, tem de chegar ao fim.

Há muito que eu dizia,
Quero aprender melhor português.
Pois, a raça da pontuação,
Não entravam no meu cérebro de vez.

A oportunidade chegou
De voltar a estudar.
Um passo de cada vez,
E mesmo velhinha, o meu curso hei-de acabar.

Cheguei à sala de aulas
Só conhecia a Cristina, mais ninguém.
Mas logo me apresentei,
E tudo correu muito bem.

Não sabia o que ia encontrar
Nem onde era o centro de Formação.
No primeiro dia ao passar o portão,
Achei tudo uma grande confusão.

Mas estava bem enganada
A realidade era bem diferente.
A confusão dos carros, não interessa,
Interessa sim, a oportunidade que dão a tanta gente.

Dois meses após o português
Cá estou eu novamente.
A tirar “Matemática para a vida”
Pois, quero seguir em frente.

Estudar, ler e aprender sempre mais
É uma riqueza, para todos nós.
A idade não importa, o local também não,
Colegas, desejo muita sorte a todos vós.

Já Fernando Pessoa, o poeta, dizia
O sonho comanda a vida.
O meu, o vosso e de todos os que lutarem,
Será recompensado um dia

Não me vou esquecer de nenhum de vós,
Desejo que todos os vossos sonhos se realizem.
Nunca deixem em momento algum de lutar,
Pois, algumas Ritinhas e Sandras, na vida vão encontrar.

OBRIGADA Sr. PROFESSORES

Eugénia Santa Cruz
Poema de 2008

5 comentários:

Dina Neves disse...

Ó Amiga Génia, eu sei que tens talento, mas estás a conseguir superar o que eu pensava saber....
Cada vez que abro o blog consegues suprender-me...
Parabéns , "em frente" é o que te posso dizer.
Bjs

Eugénia Cruz disse...

Dina Obrigada!
Este poema já tem uns anos, mas agora achei que o devia publicar aqui. Há muitos jovens que não sabem a sorte que têm em poder estudar. Espero que todos saibam aproveitar o que a vida lhes vai proporcionando em qualquer momento da vida.
Um beijo Eugénia

Alberto Manuel Henriques Barata disse...

Cara Eugénia, ao ler o seu belo poema, entendi por bem, de forma a que a nossa actual juventude reflicta sobre as possibilidades, que tem à sua disposição e que nós não tivemos, dar-lhe a conhecer a minha experiência de vida.
Desde que me conheço como pessoa, conheço-me sempre a trabalhar!
Quando frequentava a então 4ª classe, com 10 anos de idade, antes de ir para a escola, tinha que apascentar o gado e roçar um molho de mato.
Com 14 anos, trabalhando para os Serviços Florestais da Lousã, passei várias noites a combater incêndios no Rabadão.
Partindo para Lisboa, foi sempre a trabalhar e estudar, não esquecendo a participação na guerra colonial, até terminar a minha licenciatura na Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa.Hoje devo dizer-lhe Cara Eugénia, que apesar da minha vivência citadina, passeando em luxuosos salões, ou nas frias salas dos tribunais, continuo a sentir um grande apego às minhas raízes rurais e sempre, que posso, de forma incógnita, faço uma viagem, deslocando-me aos locais, que me fazem recordar os meus tempos de adolescente.
No seguimento daquilo, que atrás ficou dito, ainda no passado sábado, dia 20, pelas onze horas da manhã, passei pela sua linda aldeia de Cortecega. Chovia muito e tal facto fez-me recordar os meus tempos de menino em que, debaixo de chuva copiosa, com uma saca de serapilheira na cabeça, ia guardar o gado por todos aqueles vales, adjacentes às aldeias do esporão e Póvoa da Cerdeira.
Receba os meus respeitosos cumprimentos.
Alberto Barata

Helena Teixeira disse...

Olá Eugénia!
Ontem esqueci,mas hoje de manhã vim para ler os poemas e ver como tava aki a Cortecega virtual.
Vê,em frente nos sonhos é que está o caminho.Você sabe que consegue,a prova é que já conseguiu uma meta.Agora vêm as outras.Não importa chegar em 1º lugar no fim da corrida,mas sim chegar.E eu tou a ver a Eugénia,está a chegar :) Se precisar de ajuda pa estudar ou assim,tou aqui :) Menos em física ou quimica,bierk...lol

Jocas gordas
Lena

P.S.:o presidente da CM de Sintra ainda é o Fernando Seabra?Ele é de Viseu,sabia?Tem cá o pai dele (nao sei se ainda vivo ou nao,porque o Sr. esteve muito doente,acho eu)

MJ FALCÃO disse...

Querida Eugénia, vim visitar o teu blog e ver as tuas poesias e novidades.
Fico sempre contente -como professora que fui e sempre ainda me considero como tal- de ver a sede de saber nos outros e tu és uma pessoa que não se contenta, exige mais, não fica parada, quer andar para a frente!
Aprender! Tenho muita admiração por ti, minha querida aluna, que não desistes!Boa sorte e um beijo!

A MINHA ALDEIA

" Da minha aldeia vejo quando da terra se pode ver no Universo....
Por isso a minha aldeia é grande como outra qualquer
Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura...

Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista a chave,
Escondem o horizonte, empurram nosso olhar para longe de todo o céu,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar,
E tornam-nos pobres porque a única riqueza é ver. "
Alberto Caeiro, em "O Guardador de Rebanhos"